Shannon & Trajano: A Profile of ZoukArt

(texto abaixo em português)

New Zealand: the land of the long white cloud, of the amazing ‘All Blacks’ Rugby team, hobbits and flying Concords, and one of the best Zouk scenes that nobody knows about. Here in Auckland (a beautiful metropolis and probably one of the few places in this country where people outnumber sheep) there is a lively and warm Zouk scene with social dancing opportunities 5 nights a week and three schools teaching regular Zouk courses. A duo that has been instrumental in growing Zouk in Auckland and in wider New Zealand is Shannon Ring and Trajano Leydet of ZoukArt.
Shan and T (as they are affectionately known) crossed each other’s paths and discovered Zouk through Salsa, and since then their journey has been amazing.

The beginnings

Shannon (Shan) had a typical kiwi girl’s childhood, starting with Jazz at the age of 4 and continuing through school, and dabbling in many other genres including Flamenco and Hip hop. After discovering Salsa at her University she focused linear Salsa for several years, going on to compete and win several titles with Latinissimo Dance Studios in Auckland, where she met Trajano. Growing up in Argentina, Trajano (T) was active in gymnastics since a young age and had a love for social dance but did not receive formal dance instruction till the age of 26. Starting with ballroom, then moving on to Cuban Salsa and Capoeira, switching to LA style Salsa after moving to New Zealand.

“I saw Lamba-Zouk in Argentina when I was dancing Cuban Salsa, which looked amazing with a girls’ hair flying” Says T. However, unable to get connected with the individuals involved he continued with Salsa.

The Zouk Journey

After meeting and partnering in Salsa, Shan and T discovered, and fell in love with Zouk while competing in Hong Kong in 2009.
“I had seen some Zouk before but thought it was a bit weird, but when we saw Kadu and Larissa performing, I said I want to do that! I want to be like her (Larissa)!” says Shannon, with her eyes sparkling. “I always felt Caribbean Latin music was closer to my heart than Argentine music, and Kadu and Larissa was dancing RnB, and I was like ‘Yup, that’s what I want to do!’” adds T.

After their first workshop at the Hong Kong event, Shan and T took every opportunity to learn from established Zouk teachers that year including emersion and private courses with Kadu and Larissa, Amit Aurora, Mafie Zouker and Pasty. However having no Zouk teachers in New Zealand there was a lot of tireless self-learning involved, Trajano recounts taking inspiration from K & L DVDs and Zouk videos that were just beginning to appear on YouTube and spending long hours practicing in the kitchen and living room breaking moves down to establish and learn technique. In 2010 they performed their first Choreography which took 10 months to complete as they were learning the dance at the same time. This marked a turning point and the pair realized how much they had actually learned, recounts T.

“We didn’t have clear goals when we started. We had the idea to grow in Zouk by ourselves… At that moment in New Zealand many people leading the Zouk scene was dropping off, moving… and the scene was stagnant… After our performance people wanted to get from us what we had learned so far and asked us to start teaching. After this everything began to fall into place”.

They soon fell in love with teaching and found that it was an art in itself: “It was a whole new learning curve, actually discovering how to teach, and why and when” explains Shan.

“I think that’s been the most exciting aspect of getting into Zouk: learning how to teach, the joy you experience from students, seeing their progress, getting to meet a whole heap of people that you don’t normally get to meet, developing the community and watching it grow due to the influences you give”. This opportunity they were given: to take responsibility, be a role model and have a positive influence on the Latin dance community in New Zealand has been exciting, and something the pair has taken on board very seriously. And how has this changed their lives? “I’m a lot busier now” jokes Shan. T is philosophical; “Personally, it has become my real passion in life. I’m a motion graphics designer in my ‘other life’ that I have done for many years and thought was my passion. About 10 years ago someone told me that it was not, which was a shock. When I started to dance I felt it was the place where I was fluent. I had to work a lot but I felt it was my way to serve. When I found Zouk I felt YES! This is my passion!!!”

Yet they do not like to use the label of teachers and T describes this as one of the most beautiful things about their journey.
“I have some knowledge of Zouk. When I have some knowledge I love to share it. When I have a passion for something I want to rave about it. That’s how I feel about this”

Influences and the ZoukArt Brand

Shan and T count Hip Hop, Ballet, and contemporary as their main influences for their style of Zouk, along with inputs from several other genres including Circus, which they have used to enhance their Zouk.

Something Shan and T has endeavored for since their first choreography is to not only do a sequence of moves, but tell a story and connect with the song they are performing to, as well as combining influences from other genres: “we try to put a little capoeira and put some hip hop in the middle, and not to just do the same moves but put our own flavor into it”.

Shan and T identify emotion, humility and use of a mix of influences as the hallmarks of their brand of Zouk. Shan explains that this is molded by their personality and the understanding the pair shares that one can never stop learning and improving. “It was interesting, going to the Tauranga Bay Festival this weekend, they asked, ‘why are you doing workshops?’ I said, ‘I will be taking class till the day I die!’ There is always something you can learn”. “While we have recognition as instructors it doesn’t mean we are at a higher level and that we are not also students” adds T.

Highlights

One of the biggest highlights of their Zouk journey so far was a 6-month world tour the pair engaged in in late 2012, both learned and imparted knowledge. This included participating in several congresses and festivals, performing around Brazil including Núcleo de Dança Renata Peçanha, teaching and performing in London Zouk Congress and teaching Zouk in New Delhi and Mumbai in India, hitherto without a local Zouk scene. “Seeing that a studio in Delhi, who didn’t do any Zouk before we arrived and taught there, coincidentally doing the International Zouk Flash Mob with quite a big group; that was a real kick!” Shannon recounts with Glee. To top this off the pair was humbled by the warmth and welcoming generosity of the Zoukers they met, helping with accommodation, unexpected teaching opportunities and performing opportunities.

Impression of the Zouk Scene in New Zealand

The way Zouk has grown in New Zealand in the last two years with people crossing over from other genres has been very encouraging. Shan and T has high hopes for the Zouk scene in New Zealand, predicting that it will continue to grow from strength to strength, especially due to the caliber of fellow teachers such as Leo and Becky, as well as the passion of the community. “It’s incredible how much the scene has grown and how much love and passion a lot of people have for it” says T. Shan adds: “I think what stands out in the New Zealand Zouk scene is that it has its own feel compared to the salsa scene. Obviously there is a lot of cross over but, as a scene it has a real camaraderie and connectedness that is… connected by passion rather than disconnected by competition”.

“Two years ago we did not teach to those beyond Improver level, but now there is a new generation of people that want to push more and improve. We taught five different intermediate courses this year, which is awesome, and it is cool that we can see people doing more moves in the social scenes”.

What is Next?

As well as continuing to grow Zouk in New Zealand, Shan and T are looking forward to a lot more travel in the coming years.  “We plan to expose ourselves to different markets and get a feel for where our teaching and performances will be appreciated and where there is a two way win”, explains Shan.

Advice to New Zoukers
Trajano has this advice for new dancers: “Be Patient. In my case, Zouk is something I will always have to keep working on. Patience is the key to making everything work well, and hard work. Putting your passion into it as much as your can is the key to getting results”

Shannon and Trajano teach weekly beginner, improver and intermediate Zouk classes in Auckland on Mondays and Tuesdays. For more information, check out ‘Shannon and Trajano Zouk //’ on Facebook

Favorite and most admired artists: Kadu and Larissa, Xandy and Evelyn, Paloma Alves (Shannon’s Zouk crush), Alex De Carvelho, Alison and Audrey (especially their teaching!), Dadinho, and many more

Favorite Zouk Track: ‘Zuruk Zu Dir’ by Xavier Naidoo

Favorite Zouk Congress: Brazil Central in Brisbane (no longer taking place)

Best Congress to Social Dance In: London


Nova Zelândia: a terra da cumprida nuvem branca, da maravilhosa equipe de Rugby ‘All Blacks’, hobbits, Concords voadores, e uma das melhores e menos conhecidas cenas de Zouk. Aqui em Auckland (uma bela metrópole e provavelmente um dos poucos lugares neste país onde existem mais pessoas do que ovelhas) a cena Zouk é animada e calorosa, com oportunidades para dançar cinco noites por semana e três escolas de Zouk. Um duo que contribuíram muito para o crescimento do Zouk em Auckland e na Nova Zelândia é o duo Shannon Anel e o Trajano Leydet do ZoukArt.

Os caminhos de Shan e T (como são carinhosamente conhecidos) se cruzaram e eles descobriram Zouk através da Salsa. Desde então a jornada deles tem sido incrível.

O começo
Shannon (Shan) teve a infância típica de uma garota kiwi, começou a dançar Jazz com 4 anos de idade e continuou durante os anos de escola, também se aventurou por outros gêneros de dança incluindo Flamenco e Hip hop. Depois de descobrir a Salsa na universidade se concentrou na Salsa linear durante vários anos, venceu várias competições e recebeu títulos com Latinissimo Dance Studios, em Auckland, onde conheceu Trajano (T). T cresceu na Argentina, foi ginasta desde pequeno e sempre amou a dança, mas só foi receber instrução formal em dança com 26 anos de idade. Começou com a dança de salão, depois Salsa Cubana e Capoeira, a passou para o estilo LA Salsa depois de se mudar para a Nova Zelândia.
“Eu vi Lamba-Zouk na Argentina, quando eu estava dançando salsa cubana, que parecia incrível com o cabelo das meninas voando” Diz T. No entanto, incapaz de se conectar com as pessoas envolvidas, ele continuou com Salsa.

Jornada ao Zouk
Em 2009, depois de ter formada a parceria em Salsa, Shan e T descobriram e se apaixonaram por Zouk quando competiam em Hong Kong.

“Eu já tinha visto Zouk antes, mas pensei que era um pouco estranho. Quando vimos Kadu e Larissa dançando, eu disse para mim mesma: “eu quero fazer isso! Eu quero ser como ela (Larissa)!”, diz Shannon, com os olhos brilhando. “Eu sempre senti que a música latina do Caribe estava mais perto de meu coração do que a música Argentina. Kadu e Larissa estavam dançando RnB, e eu pensei: “Sim, é isso que eu quero fazer!”, acrescenta T.

Depois de ter feito um dos workshops de Zouk no evento de Hong Kong, Shan e T aproveitaram todas oportunidades naquele ano para aprender com professores respeitados, incluindo imersões e cursos privados com Kadu e Larissa, Amit Aurora, Mafie Zouker e Pasty. No entanto, não haviam professores de Zouk na Nova Zelândia e isso levou a uma jornada incansável de auto-aprendizagem. Trajano relembra que buscou inspiração em K&L DVDs e vídeos de Zouk que estavam começando a aparecer no YouTube. Ele passava horas praticando na cozinha e sala de estar, separando movimentos para estabelecer e aprender a técnica. Em 2010, eles realizaram a primeira coreografia, que levou 10 meses para ser concluída, já que estavam aprendendo a dançar ao mesmo tempo. Isto marcou o ponto de virada e o par percebeu o quanto eles tinham realmente aprendido, relata T.

“Nós não tínhamos objetivos claros quando começamos. Tivemos a ideia de crescer no Zouk por nós mesmos … Naquele momento, na Nova Zelândia, muitas pessoas que lideravam a cena do Zouk foram caindo fora, se mudando … e a cena estava estagnada … Depois de nossa coreografia o pessoal queria aprender de nós o que tínhamos aprendido e nos pediram para começar a ensinar. Depois, tudo começou a se deslanchar”.

Eles logo se apaixonaram por ensinar e descobriram que era uma arte em si: “Foi uma nova curva de aprendizado, na verdade, descobrimos como ensinar, os porquês, e quando”, explica Shan.

“Eu acho que tem sido o aspecto mais interessante do Zouk: aprender a ensinar, a alegria vinda dos estudantes ao ver seu progresso, conhecer muitas pessoas que normalmente não conheceria, desenvolver a comunidade e vê-la crescendo devido às influências que você dá”. Esta oportunidade que lhes foi dada: assumir a responsabilidade, ser um modelo e ter uma influência positiva na comunidade de dança latina na Nova Zelândia tem sido emocionante, e algo que o par tem levado a sério. E como isso mudou suas vidas? “Eu sou muito mais ocupado agora”, brinca Shan. T é filosófico; “Pessoalmente, tornou-se a minha verdadeira paixão na vida. Eu sou um designer de movimentos gráficos em minha ‘outra vida’, que eu já trabalho ha muitos anos, e pensei que aquela era a minha paixão. Cerca de 10 anos atrás, alguém me disse que não era, o que foi um choque. Quando eu comecei a dançar eu senti que era onde eu era fluente. Eu tive que trabalhar muito, mas senti que era a minha maneira de servir. Quando descobri Zouk eu senti SIM! Esta é a minha paixão !!! ”

No entanto, eles não gostam de usar o rótulo de professores e T descreve isso como uma das mais belas coisas sobre a jornada.
“Eu tenho algum conhecimento de Zouk. Quando eu tenho conhecimento sobre algo, gosto de compartilhá-lo. Quando eu tenho uma paixão por algo, eu quero falar o tempo todo sobre aquilo. Isso é como me sinto sobre o Zouk.”

Influências e a Marca ZoukArt

Shan e T citam várias influências usadas para formar e melhorar seu estilo Zouk como o Hip Hop, Balé, Dança Contemporânea, e vários outros gêneros, como o Circo.
Shan e T se esforçam desde sua primeira coreografia para fazer mais que uma sequência de movimentos, querem contar uma história, se conectar com a música, e trazer influências de outros gêneros: “nós tentamos colocar um pouco de capoeira e um pouco de Hip Hop, e não apenas repetir os mesmos movimentos, mas sempre colocar o nosso próprio sabor”.
Shan e T identificam emoção, humildade e uma mistura de influências como as características de sua marca de Zouk. Shan explica que o estilo é moldado por suas personalidades e a compreensão de que nunca se pode parar de aprender e melhorar. “Foi interessante ir ao Festival Tauranga Bay neste fim de semana, eles perguntaram: “porque você está fazendo workshops?” Eu disse, “eu vou fazer aulas até o dia que eu morrer! Há sempre algo que você pode aprender. Por mais que sejamos reconhecidos como instrutores, isso não significa que estamos em um nível superior e que não somos mais estudantes”, acrescenta T.

Destaques
Um dos destaques de sua jornada Zouk até agora foi o tour mundial de 6 meses que o par fez no final de 2012, tanto para aprender como para transmitir conhecimento. Isto incluiu a participação em vários congressos e festivais, apresentações pelo Brasil, incluindo o Núcleo de Dança Renata Peçanha, dando aulas e fazendo apresentações no Congresso de Zouk em Londres e ensinando Zouk em Nova Delhi e Mumbai, na Índia, até aquele momento sem uma cena local Zouk. “Encontramos um estúdio em Nova Deli, que não ensinava Zouk antes de chegarmos e decidimos dar aulas lá, coincidentemente fazendo o Internacional Zouk Flash Mob com um grupo grande; aquilo foi super legal! “Shannon narra animada. Melhor ainda, o casal foi recebido com muita generosidade pelos Zoukers que conheceram, foram ajudados com alojamento, oportunidades de ensino inesperados e oportunidades para apresentações.

Impressões sobre a cena Zouk na Nova Zelândia
O Zouk cresceu na Nova Zelândia nos últimos dois anos, com a transição de várias pessoas vindas de outros gêneros de dança, o que tem sido muito encorajador. Shan e T têm altas expectativas para a cena Zouk na Nova Zelândia, prevendo continuará a crescer com força, especialmente devido ao calibre dos colegas professores, como Leo e Becky, assim como a paixão da comunidade. “É incrível o quanto a cena cresceu e quanto amor e paixão as pessoas têm pela dança”, diz T. Shan acrescenta: “Eu acho que o que se destaca na cena da Nova Zelândia Zouk é que tem a sua própria atmosfera em comparação com cena de Salsa. Obviamente, existem muitas transferências, mas, como é uma cena de camaradagem real e conexão… uma conexão motiva pela paixão ao invés de desconexão causada pela competição.

“Dois anos atrás nós não ensinávamos além do nível intermediário, mas agora há uma nova geração de pessoas que querem mais e querem melhorar. Ensinamos cinco cursos intermediários diferentes este ano, o que é incrível, e é legal que podemos ver as pessoas fazendo mais movimentos nas cenas sociais “.

O Que Está Por Vir?
Além de continuar a crescer o Zouk na Nova Zelândia, Shan e T estão ansiosos para viajar mais nos próximos anos.
“Pretendemos nos expor a diferentes mercados para ter uma ideia de onde o nosso ensino e apresentações serão apreciados e onde haverá uma conquista nos dois sentidos”, explica Shan.

Conselhos para os novos Zoukers
Trajano tem um conselho para os novos dançarinos: “Seja paciente. No meu caso, Zouk é algo que eu sempre tenho que me manter trabalhando. Paciência e trabalho duro é a chave para fazer com que tudo funcione bem. Colocar sua paixão na dança o máximo que puder é a chave para alcançar resultados.”

Shannon e Trajano dão aulas semanais de Zouk para níveis incitante, intermediário em Auckland às segundas e terças-feiras. Para mais informações, consulte a “Shannon e Trajano Zouk //’no Facebook

Artistas favoritos: Kadu e Larissa, Xandy e Evelyn, Paloma Alves (paixão Zouk de Shannon), Alex De Carvelho, Alison e Audrey (especialmente as aulas deles), Dadinho, e muitos outros

Música Zouk favorita: ‘Zuruk Zu Dir’ por Xavier Naidoo

Congresso de Zouk favorito: Brasil Central em Brisbane (não existe mais)

Melhor Congresso para dançar: Londres

Traduzido por: Patricia Araujo

Photography by: Rafael Bonatto

Tags

About: Danidu Wijekoon

Engineer, Environmentalist, Foodie, and Passionate Zouker. I love writing (anything, especially if I care about the topic), painting, food experiments and deep and meaningless discussion with friends.

You may also like...

Sorry - Comments are closed

Allan Z ft Ficci – Senses Overload (ft. Laura Hahn) Remix

Categories

X