The Story of How I Nearly Missed Out on Zouk

(texto abaixo em português)

“Zoo? What now? Zuck? Zook? How do you say that properly? It comes from…lumberjack? Ah Lombada…yea I know what that is…?” (Extremely confused).

Is it just me? Or have others had a very similar conversation with a Zoukie who was trying to explain to them what in the world these dancers were doing on the dance floor to some funny beat?

This is my recollection of what happened when I was first exposed to Zouk in May earlier this year. My first impression? I didn’t like it. I went to the extremes of saying that I “hated” Zouk in a matter of minutes. I didn’t understand at the time, what made me dislike it so much. All I knew was that when I saw it in action, I could almost feel my face crumple up, and I would turn around and waltz off until another familiar Salsa or Bachata tune blared out of the speakers. I have to explain this to you, because it happened to me, and it has happened to many current Zoukies who claim themselves to be a “Zouk-Convert”: Zouk has a subtle yet empowering, familiar yet mystical impact on those who allow their ears to hear and their eyes to see. It is really too easy to switch off and block out the sounds and the movements around you if you choose to be oblivious, as this is much easier to do than actively paying attention. Thank goodness for my alert musical ear (I have thorough classical music training) that pricked up every time the Zouk beat oozed its way onto the dance floor, ironing out all the sharp edges of the Salsa beats and Bachata’s distinctive glockenspiel-like taps left behind. Slowly but surely, my hunger for the music, not so much the moves initially, lured me into the dark cave that is the “Zouk room.”

When June came around, I attended my very first, and the biggest dance festival in New Zealand, the “New Zealand Salsa Congress”, held in Wellington over Queen’s Birthday weekend every year. I was so excited – I had been properly bitten by the dance bug by this point, and I had even furiously taken a crash course in Zouk, not because I wanted to learn the dance but because I felt ripped off, missing out on dances when Zouk came on! (Apparently, I’m not the only one who starts off taking Zouk baby steps in that fashion.) Over the weekend, my mind was flooded with how to spin properly, execute body isolations, improvise turn patterns and understand musicality. While I had decided to master the Salsa and Bachata techniques and principles I had learnt in the workshops at the parties, night after night, I found myself sitting in the “Zouk room” for growing periods of time when I finally grew tired of the music in the “normal” room.

On Friday, the first night, I sat in the dark, watching, refusing to give it a go. However, on Saturday, I felt this sudden urge to give it a proper shot – not simply the lateral and the basic in fragmented bits of motion as we do in class, but the continuously flowing, lyrical movements that showcase Zouk. A friend urged me to ask Zouk Art’s co-founder, Trajano, for a dance – I was beside myself with nervousness. Not only is he unbelievably dreamy and one of the leading Zouk male leads in the country, I was a complete and utter start-out! There was no way I could avoid stepping on his toes, let alone dance! But what she said gave me the urge to tip toe over, lightly brush him on his shoulder, barely a tap, (secretly hoping he wouldn’t notice me) and have the most unforgettable dance – “He knows what you can and can’t do. And he will lead you – you don’t have to “know” anything or “do” anything. Zouk is about connection, not moves.”

And she was right. Not that I can say that that dance with Trajano was amazing – HE was, but I, as expected, was all over the place. I stepped on toes, I overthought too many steps, arms got tangled up, and I can’t be quite certain but I’m sure I had nearly (to my horror) elbowed him in the face. But what she was right about was that I still got through that dance without knowing anything. He led me into moves that I didn’t know I was capable of doing, and even when I had told him “I’M A COMPLETE BEGINNER – I DON’T KNOW ANYTHING!” I think he basically ignored me and carried on because he must have known that with connection, I was able to do what he wanted me to do. When I say I had the most unforgettable dance, I mean that I will never forget what I felt before I started dancing, and what I felt when the song finished, and Trajano thanked me for the dance. BUZZING DISBELIEF. Disbelief, because I pulled off something that I thought I could never do – limbs folding and bending in strange ways, the body making (actual) S shapes and the back bending without feeling like it was going to snap into two. Buzzing, because it was surreal. In that moment, I knew I had to learn this dance…and to get good at it.

When I look back now, I realize what had made me so disapproving of Zouk. Are you familiar with that feeling you get when you know, or think you know that you’re not good at, or can’t do something? In that situation, it’s simply so much easier to say “I hate that” instead of admitting to yourself “I’m not good at that.” Personally, the range of motion Zouk seemed to require from me must have appeared undoable. Naturally, I had instantly dismissed it as “I don’t like it” rather than admitting “Oh wow, I don’t think I can do that.” Zouk seemed to require a scary amount of fluidity, gracefulness, flexibility, attitude, confidence, supple limbs, and most importantly, trust and fearlessness. Now, no one in my family dances. I’ve never had any form of dance training growing up, thought I had an ironing board for a body, grew up in a conservative home with certain views on things like dancing (if you know what I mean), and while I picked up Salsa quite quickly, Zouk was a whole different dance altogether. Everything I was and everything I had – my background, what I knew how to do, and the assets I possessed (or didn’t) – didn’t seem to be the right fit for Zouk. In my head, it just didn’t add up.

What I realized throughout this whole process of thinking that I hated Zouk to wanting to dance nothing else most of the time, is how crucial being honest with yourself is in order to become a better dancer, better person, in fact, better at anything. Of course, it’s such an obvious principle, and that’s what we say when it seems appropriate, but gearing it into action when it’s YOU involved, is a lot harder than one may think. I’m not the type to like to admit to myself that I’m not very good at something, and experiencing Zouk brought that side straight out of me and stopped me to even give it a go. Didn’t even let myself become intrigued about it. However, figuring this out made a world of difference. I began to shift my views on my dancing, what it meant to me, and what I was capable of doing.

I almost gave this beautiful dance a miss because of my own fears and doubts about my capabilities. How glad I am to have been seduced again and again by the beats of the music of Zouk on my countless nights out social dancing, and have been left intrigued and curious by the moves seen on the dance floor. Knowing me, I’m pretty sure I would have picked it up sooner or later, given the rising popularity of the dance in New Zealand (I hate being excluded!). But what I’m so incredibly thankful for is that I didn’t add to the time I had already lost with Zouk. The joy it brings to me when I’m on the dance floor, becoming one with my partner, and tangibly feeling the music run through my body, makes me wonder how I could have lived without it until now. My dance journey has never been the same again – desires have been aligned with intention and now I’ve started taking classes, dance every Zouk song, slow or fast and everything in between, and have even looked into performing and competing in Zouk.

Discovering Zouk has taught me not just another dance form, but a path to discovering more of myself, where my passions lie, and how much more I am capable of than I allow myself to think. Week after week, as I attend classes and sweat it out at socials, I am constantly surprised and excited by the limitless possibilities Zouk has within and outside of the dance. I’m stretched, and pushed (literally as well as figuratively!) and I cherish every minute of it – it’s me and Zouk against the clock, every time. I believe I’ve found true love. And the passion for it grows every day.


A História de como eu quase fiquei de fora do Zouk

Zoo? O que agora? Zuck? Zook? Como você diz isso corretamente? Isso vem de lumberjack? Ah Lambada… Sim eu sei o que é isso…?(Extremamente confusa).

Sou só eu? Ou há outros que tiveram uma conversa similar com um dançarino de Zouk que tentava explicar para eles o que no mundo esses dançarinos estão fazendo na pista de dança para uma batida engraçada?

Esta é minha recordação do que aconteceu quando eu fui exposta ao Zouk em maio no começo deste ano. Minha primeira impressão? Eu não gostei. Eu fui ao extremo de dizer que eu “odiei” Zouk em questão de minutos. Eu não entendi naquela época, o que me fez não gostar tanto dele. Tudo o que eu sabia era que quando eu vi em ação, pude quase sentir o meu rosto amassar, e eu voltaria a valsa até que outra melodia familiar Salsa ou Bachata tocassem nos alto-falantes. Eu tenho que explicar isso a você, pois isso aconteceu comigo, e isso tem acontecido com muitos dançarinos de Zouk que se autoproclamam “Zouk-convertido”: Zouk tem uma sutil também capacidade, familiar também místico impacto naqueles que permitem seus ouvidos escutar e seus olhos enxergar. É realmente muito fácil desligar e bloquear os sons e os movimentos ao seu redor se você escolher estar absorto, como isso é muito fácil de fazer do que prestar atenção ativamente. Graças a deus pelos meus ouvidos musicais alertas (Eu tenho uma profunda educação em musical clássica) que aguçavam a cada vez que a batida do Zouk escorria seu caminho para a pista de dança, alisando todas as bordas afiadas das batidas da Salsa e o distintivo som de xilofone da Bachata foi deixado para trás. Devagar mas seguramente, meu apetite pela música, não tanto os movimentos inicialmente, me atraíram para dentro da caverna escura que é a “sala do Zouk”.

Quando chegou julho, participei do meu primeiro e maior festival de dança na Nova Zelândia, o “Congresso de Salsa de Nova Zelândia”, mantido em fim de semana do Aniversário da Rainha em Wellington todos os anos. Eu estava tão animada – Fui devidamente mordida pelo bicho da dança nesse momento, eu já tinha tido furiosamente um curso intensivo de Zouk, não por que eu queria aprender a dançar, mas por que eu me senti um buraco, ficando de fora das danças quando o Zouk surgia! (Aparentemente, não sou a única que começou no Zouk dando paços de bebê neste estilo) Durante um fim de semana, minha mente foi invadida com como girar corretamente, executar isolamentos de corpo, improvisar transformar padrões e entender musicalmente. Enquanto decidi dominar as técnicas e princípios da Salsa e da Bachata aprendi nos workshops nas festas, noite após noite, eu me encontrei sentada na “sala de Zouk” em crescentes períodos de tempo, quando eu finalmente fiquei cansada da musica na sala “normal”.

Na sexta, a primeira noite, sentei no escuro, observando, me recusando deixar para lá. Entretanto, no Sábado, senti esta súbita vontade de dar uma chance adequada* – não simplificar a lateral e o básico nos pequenos fragmentos de movimento como nós fazemos em sala de aula, mas a continuidade da fluência, movimentos líricos que mostram o Zouk. Um amigo me instigou a convidar o artista co-fundador do Zouk, Trajano, para uma dança – Eu estava fora de mim devido ao nervosismo. Ele não é somente um sonho e um dos homens condutores de Zouk no país, eu estava completa e pronta para começar! Não houve uma forma de evitar pisar em seus dedos do pé, muito menos na dança! Mas o que ela me disse me estimulou a deixar esse lance de pisar nos dedos para lá, levemente acaricia-lo em seus ombros, apenas um tapinha de leve (secretamente esperando que ele não me notasse) e ter a dança mais inesquecível – “Ele sabe oque você pode e o que não pode fazer. E ele vai te conduzir – você não tem que “saber“ nada ou “fazer” qualquer coisa. Zouk é sobre conexão, e não movimentos”.

E ela estava certa. Não que eu possa dizer que aquela dança com o Trajano foi maravilhosa – de ELE foi, mas eu, como eu estava confusa. Pisei nos dedos dos pés, eu pensei muito em alguns passos, os braços ficaram emaranhados, e eu posso não estar certa, mas eu tenho quase certeza que eu estive perto (para meu horror) de dar uma cotovelada no rosto dele. Mas o que ela estava certa era que eu ainda conseguiria dançar aquela dança sem saber coisa alguma. Ele me conduziu em movimentos que eu não sabia ser capaz de fazer, e mesmo quando eu disse a ele “EU SOU COMPLETAMENTE INICIANTE – EU NÃO SEI NADA!” Acho que ele basicamente me ignorou e continuou por que ele deve saber aquilo sobre a conexão, eu estava disposta a fazer tudo o que ele quisesse. Quando eu disse que tive a dança mais inesquecível, eu me referia que eu não vou nunca me esquecer de como eu me senti ates de começar a dançar, e o que eu senti quando a musica acabou, e Trajano me agradeceu pela dança. ZUMBIDO DE DESCRENÇA. Descrença, por que consegui fazer algo que eu pensei que nunca conseguiria – braços cruzados e flexionados de uma forma estranha, o corpo fazendo forma de S (real) e as costas flexionando sem sentir como se fosse se romper em duas. Zumbido por que era surreal. Naquele momento eu soube que eu tinha que aprender aquela dança… e ir bem nela.

Agora quando eu olho para trás, eu percebo o que me fez desaprovar o Zouk. Você se familiariza com aquele sentimento que você tem quando você sabe, ou pensa que sabe que você não é bom naquilo, ou não pode fazer algo? “Naquela situação é simplesmente mais fácil dizer “Eu odeio aquilo” ao invés de admitir para você mesmo “Eu não sou bom naquilo”. Pessoalmente, a amplitude de movimento que o Zouk pareceu requerer de mim deve parecer irreversível. Naturalmente, eu instantaneamente o recusei com “eu não gosto” do que admitindo “Oh wow, acho que eu não fazer aquilo”. O Zouk parecia requerer uma assustadora quantidade de fluidez, graça, flexibilidade, atitude, confiança, membros flexíveis, e mais importante, confiança e coragem. Ora, ninguém na minha família dança. Não tive nenhuma forma de treinamento em dança durante meu crescimento, achava que eu tinha uma tábua de passar roupa no meu corpo, cresci num lar conservador com certas visões sobre algumas coisas como a dança (se você me entende), e por enquanto escolhi Salsa rapidamente, o Zouk era uma dança completamente diferente. Tudo que eu era e tudo que eu tinha – minha experiência, o que sabia como fazer, e as qualidades que eu tinha (ou não) – não pareciam ser certas para o Zouk. Na minha cabeça, eu só não somava.

O que eu percebi durante todo esse processo de pensar que eu odiava o Zouk a querer dançar nada mais por mais tempo, é como é crucial ser honesto consigo mesmo em prol de se tornar um dançarino melhor, uma pessoa melhor, de fato, melhor em tudo. É claro, este é um principio óbvio, e é o que dizemos quando parece apropriado, mas colocá-lo em ação quando envolve VOCÊ, é um pouco mais difícil do que alguém possa imaginar. Eu não sou o tipo que gosta de admitir para mim mesma que eu não sou muito boa em algo, e experimentar o Zouk trouxe para fora esta parte de mim e me parou sem mesmo dar uma chance. Sequer me deixei intrigar sobre isso. Enfim, descobrir isso fez um mundo de diferença. Comecei a mudar minha visão sobre minha dança, o que ela significa para mim, e do que eu era capaz de fazer.

Eu quase deixei essa linda dança escapar por causa dos meus medos e duvidas sobre as minhas capacidades. Como eu sou grata por ter sido seduzida de novo e de novo pelas batidas da musica do Zouk nas minhas incontáveis noites fora dançando, e sendo levada a me instigar e ter curiosidade pelos movimentos vistos na pista de dança. Me conhecendo, tenho certeza que eu teria escolhido isso cedo ou tarde, devido ao crescimento da popularidade da dança na Nova Zelândia (Eu odeio ser excluída!) Mas o que eu sou tão incrivelmente agradecida é por eu não ter somado o tempo que eu já tinha perdido com o Zouk. A alegria que me trás quando eu estou na pista de dança, eu e meu parceiro nos tornando um, e realmente sentir a música correr pelo meu corpo, me faz pensar como eu pude viver sem até agora. Minha jornada na dança nunca será a mesma de novo – desejos foram ajustados com intenção e agora estou fazendo aulas, danço qualquer música de Zouk, lenta ou rápida e todas entre, e tenho buscado desde apresentação até competição de Zouk.

Descobrir o Zouk tem me ensinado não só uma forma de dança, mas um caminho de descobrir a mim mesma, aonde minhas paixões existem, e o quanto eu sou capas mais do que eu me permito pensar. Semana após semana, como eu assisto aulas e suo nas festas, estou constantemente surpresa e animada pelas ilimitadas possibilidades que o Zouk tem dentro e fora da dança. Eu sou alongada, e forçada (literalmente e figurativamente!) e nutrida a cada minuto – sou e o Zouk contra o relógio, o tempo todo. Acredito que encontrei o amor verdadeiro. E, a paixão para crescer a cada dia.

Translation: Priscila Souza
Photo Credit: Nina Gastreich – www.facebook.com/NinaGastreichPhotography

Tags

About: Lori Paek

Lori is an avid traveller who has a passion for discovering her full potential in life. Currently she lives in Auckland, New Zealand and works in corporate Marketing, but dreams of a day where she can dedicate her life full-time to writing, travel, dance, and worthy causes. One of her favourite hobbies is teaching herself new languages; she loves Spanish more than she does her mother tongue, English, and the language of her origin, Korean.

You may also like...

Sorry - Comments are closed

Allan Z ft Ficci – Senses Overload (ft. Laura Hahn) Remix

Categories

X